29/
Apr
8 dicas para destruir um bom pronto socorro

A medicina de urgência é uma paixão para 9 em cada 10 médicos, mas por que tantos estão correndo da atuação nesta área? Um dos motivos é a péssima condição de trabalho ou da má organização de todos os serviços dentro de um pronto socorro. Ou seja: o problema principal está na gestão dos serviços de urgência ou na ineficiência do gestor em manter sua equipe unida.

 

Não podemos resumir apenas a gestão ineficiente como causadora de todos os problemas nas urgências (isso é uma situação mundial). Nesta semana, num excelente artigo escrito pelo Dr. Thomas Payne foi divulgado no KevinMD. Lá ele traz as 8 dicas para destruir um excelente pronto atendimento. Resolvemos traduzir e mostrar para você que acompanha o Academia Médica.

 

Caso você esteja vendo o seu pronto socorro piorar o atendimento como um todo, mande esse texto para o administrador do seu hospital. Quem sabe assim ele consegue abrir os olhos para a real fonte do problema.

 

Você concorda com elas? Fale-nos a seguir no espaço para comentários.

 

Ignore ou despreze a experiência clínica.Décadas de experiência com pacientes graves são superestimados. Alguns dias de treinamento e um preceptor que conhece os protocolos assegurarão que os novos enfermeiros ou técnicos tenham uma competência clínica adequada. Essa estratégia poupa dinheiro pois profissionais experientes custam mais na folha de pagamento
Não pergunte aos médicos assistentes o que eles precisam,diga-lhes o que fazer. Os médicos estão pedindo mais espaço, mais ajuda, mais segurança e mais recursos enquanto suas demandas aumentam agudamente? Ignore esses pedidos. Você vai a reuniões demais para entender o que precisa para entregar o serviço de emergência em um tempo adequado. Os profissionais sempre vão pedir mais, mesmo quando eles já têm o que precisam.

 

Quando o PS demonstra sinais de enfraquecimento, melhore-o criando mais cargos administrativos.O tempo de espera é longo, os pacientes bravos e a sua equipe cansada. A sabedoria convencional vai te dizer que aumentar o número de profissionais de saúde é um primeiro passo razoável. Ignore a sabedoria convencional. Os verdadeiros gênios “pensam fora da caixa”. O que aquele pronto socorro precisa é mais um corpo de administradores para endireitar o barco. Melhor ainda seria promover as enfermeiras excepcionais para cargos administrativos onde nunca trabalharam antes. Lá elas vão brilhar.

 

Automaticamente dispense qualquer sugestão do corpo clínico alegando “falta de dinheiro”. É muito bom que todos os que lá trabalham vejam o seu carro novo que você troca todo os anos. Há maneira melhor de criar uma cultura de honestidade, generosidade e respeito? Sua organização não visa lucros, então seus empregados sabem logo de cara que você é um verdadeiro humanista.

 

Ninguém entende mais dos problemas, desafios e dificuldades que a emergência de seu hospital que um consultor externo. Esses consultores são profissionais e valem o preço que cobram. Eles podem fazer uma visita, olhar algumas folhas de papel e, instantaneamente, dizer a diretoria o que deve ser feito para corrigir. Nada melhora mais a moral da equipe que uma reunião com um estranho que discorre sobre todas as maneiras que todos estão realizando seus trabalhos de forma incorreta.

 

Tenha a certeza de que seus médicos do pronto socorro sejam lembrados a todo o momento que eles não têm poder de negociação.Você deve dar duas opções sobre a renovação do contrato: A sua opção ou a opção da rua. Um relacionamento amigável entre você e seus médicos é terrivelmente superestimada.

 

Todas as emergências fazem a mesma coisa, então nada mais correto que compará-las entre si. É claro que existem enormes diferenças sobre o volume de pacientes, número de médicos assistentes, acuidade, internamentos, percentual de admissão, leitos disponíveis, mix de pagadores, idade e educação dos pacientes…. Todos esses fatores devem ser esquecidos. É perfeitamente razoável comparar os scores de satisfação e tempo de espera de um serviço de baixa complexidade com uma emergência terciária referência para uma grande área, que é procurado diariamente por um grande volume de pacientes de diferenetes cidades, todos os dias. Seja simples consigo mesmo mantendo sua comparação o mais simples possível.

 

Crie um ambiente que seja impossível que seus médicos tenham sucesso. Culpe-os pelo fracasso deles. O corpo clínico está de corpo mole quando eles chegam com um monte de ladainhas (volume aumentado, acuidade, furos na escala, quantidade absurda de gráficos desnecessários, tarefas sem sentido, pressão para melhorarem a performance) sobre o como os scores estão baixos e os tempos de espera, elevados. O fato é que eles são preguiçosos e não querem fazer um trabalho melhor. Deixe-os ir: por que você ainda tenta manter seus funcionários desse jeito?

 

Espero que esta lista ajude. Se seus objetivos é prover um bom ambiente de trabalho, onde seus médicos da urgência sintam-se valorizados, respeitados e amparados, apenas siga as dicas acima ao contrário. Eles vão impressioná-lo ao mostrar como tem todas as respostas e sabem te mostrar o caminho para uma excelente administração.

 

Thomas Paine é Médico Emergencista e escreve com periodicidade para o KevinMD.

 

Fonte: Academia Médica