17/
Mar
Letra ilegível no receituário pode causar problemas graves e até a morte de pacientes

 

A letra ilegível no receituário pode causar problemas graves e em alguns casos até a morte. Para orientar os médicos e reafirmar a importância da letra legível, o Conselho Regional de Medicina de Roraima (CRM – RR) lança na quarta-feira (16), a campanha Letra Legível.
 

A campanha acontecerá com a distribuição de cartazes em todas as unidades de saúde pública e privadas do Estado, além de orientações aos médicos. O primeiro local a ser visitado será o Hospital Coronel Mota, às 8h. O cartaz traz um alerta sobre o perigo da letra ilegível nas receitas prescritas aos pacientes.

 

A legibilidade das receitas consta na Lei Federal nº 5.991, de 1973. De acordo com o artigo 35, da Lei, somente será aviada a receita que estiver escrita de modo legível.
 

O Código de Ética Médica, também, no Capítulo III que preconiza sobre a responsabilidade profissional, traz orientação no artigo 11 sobre receitar de forma ilegível.
 

De acordo com o artigo, é vedado ao médico receitar, atestar ou emitir laudos de forma secreta ou ilegível, sem a devida identificação de seu número de registro no Conselho Regional de Medicina da sua jurisdição, bem como assinar em branco folhas de receituários, atestados, laudos ou quaisquer outros documentos médicos.
 

“Existem medicamentos com nomes parecidos, que se não estiverem escritos de forma legível, podem induzir o paciente ao erro prejudicando seu estado de saúde. O profissional que não prescrever de forma legível, pode sofre sanção”, disse o presidente do CRM – RR, Alexandre Marques.


Fonte: SaúdeJur