18/
Apr
Chegou a hora de comprar um imóvel?

O país está em crise e o mercado imobiliário sofre fortes impactos da economia. Como reagir neste momento? Comprar, alugar ou investir? Muitas são as dúvidas dos brasileiros, mas é fundamental ter calma e analisar bem a situação.

Você já pensou sobre o que move os preços dos imóveis? Em última análise é uma equação entre oferta e demanda. Quanto mais demanda com oferta constante houver, maiores os preços que devemos esperar de um bem. E esse era o cenário de algum tempo atrás.

Mas isso mudou e, hoje, o mercado se mostra com grande oferta e demanda retraída. Além disso, o cenário é de estoques elevados, em um mercado cheio de distratos.

 

É mais do que certo que não ficaremos neste cenário para o resto da vida. As pessoas não seguram suas necessidades e desejos para sempre, então, em algum momento, a demanda voltará.

Na medida em que a crise se resolva – e de uma forma ou de outra isso vai acontecer – as pessoas voltarão a ter mais confiança em seus empregos e negócios, e a demanda represada virá a mercado em busca de imóveis.

Alugar, financiar, investir…

Caso a proposta seja comprar um imóvel para investir, é preciso entender que em um cenário de preços estagnados, como o de hoje, você deixará 18% na mesa em 18 meses, pois este é o retorno que teria aplicando no CDI durante esse período, por exemplo.

Mas se a dúvida é entre comprar à vista ou alugar, você precisa avaliar a dimensão pessoal e a dimensão matemática. Em primeiro lugar, você precisa decidir se gosta ou não de viver em imóveis alugados. Também precisará avaliar se tem disciplina para fazer uma boa aplicação.

Agora, se você não possui dinheiro para pagar à vista e está em dúvida entre financiar ou alugar, é bem provável que as contas sejam favoráveis à compra. Vamos supor que seja uma casa de R$ 500 mil. Com um aluguel de 4,7% ao ano sobre o valor do imóvel, em 30 anos você deve pagar R$ 1,6 milhão de aluguel. No mesmo período, com um financiamento de TR + 9%, você pagaria um total de R$ 1,3 milhão. Além de gastar mais com o aluguel, você chega ao final do experimento sem nenhum imóvel para chamar de seu.

 

Fonte: Marcelo Fenelon - criandoriqueza.com.br